Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

cOISAS dO cAMANDRO: dO mAIO de 68 a gERAÇÃO rASCA

Onde é que estavas no 25 de Abril? Esta é uma pergunta que não raras vezes me soa "frustrante". É que nem pelo 25 de Abril, e muito menos no Maio de 68. Esses foram acontecimentos que hoje recebemos como certos e intensos, mas que não vivi.

Pudera, andaria "pelas costa de Africa" a espera do ano de 1975 para conhecer a luz do dia. No entanto, se há assuntos que me agradam de ler e conhecer, que me suscitam o interesse, são momentos e discrições históricas como essas que marcaram épocas e consequentemente, os dias da actualidade, ou seja, também o meu quotidiano, a forma como vivênciamos o nosso dia a dia.

Este post vem a proposito de alguns textos que um amigo de outras campanhas (leia-se clubisticas) o PortoMaravilha me tem deixado por aqui na caixa de comentários, e que me despertaram bastante interesse. Tudo porque este companheiro que em  1972, com 14 anos, foi parar a França,  faz parte há mais de 25 anos do corpo docente do Ministério Francês da Educação, e  acompanha estudantes que pretendem aceder à prestigiada "Ecole des Hautes Etudes de Sciences Politiques", como tal e pelo conhecimento que tem, sucede que deu-me a conhecer um movimento politico que desconhecia.

E desperta-me o interesse, porque, diz-me ele, que  encontrou «semelhanças de atitude» entre aquele movimento, os Situacionistas, e a posição tomada pela denominada de Geração Rasca. Não consegui na altura entender a comparação, hoje comprendo onde aquele raciocínio queria chegar.

Têm sido argumentos e opiniões, as do PortoMaravilha, pertinentes de mais para se ficarem apenas pela caixa de comentários, pelo que hoje partilho convosco alguns trechos de seus textos, que me têm suscitado alguma reflexão.

 

[Para contextualizar, aplico texto entre parenteses recto que é meu, e as imagens]

 

" Os Situacionistas não são mais ( esquematizando) que a continuação do Surrealismo. [descrição de surrealismo pela wikipédia]
Tiveram importância no pensamento de maio 68 ( não como revendicação) mas como um olhar sobre a "mixité" (homem-mulher) e, também, na visão da "sociedade espectáculo". Penso que alguns dos seus
textos continuam bem válidos. Sobretudo no que diz respeito ao uso da câmera / a sociedade espectáculo.

 [...]

Eis pois a definição que a Wikipédia, coisa para turista consultar, nunca dará a propósito dos Situacionistas :
Para uma melhor despoluição , o jornal de Setembro de 1969 ( Directeur : Debord / Rédaction : B.P. 307-03 Paris ) da Internacional Situacionista publica em letras gordas a definição dada pelo dicionário Larousse.
Passo a traduzir : Situacionista : adj . e nome. Diz-se de um grupo de estudantes que preconizam uma acção eficaz contra a situação social que favorece a geração no poder.
A internacional Situacionista criticará esta definição sem grande convição teórica. Mas não deixa de ser verdade que neste número de Setembro de 69, o último aliás, a definição, citada acima , aperece em letras gordas
.

[A "geração rasca" de estudantes em 68, Paris]

 

Se artisticamente o situationisme é uma espécie de continuação do surrealismo ( que contrariarmente ao que se dá a pensar também foi um movimento político), no que diz respeito ao modo de vida o situationisme abre para a psicanálise e para a sexualidade. E é aí que me parece existir do modo mais profundo uma relação com a geração rasca.

[...]

 


Uma das componentes de Maio 68, foi a vitória pela e da "mixitée" 
[mistura]. Se vieres dar um passeio a França, verás que inúmeras escolas continuam a ter lá no frontão "Ecole de filles" / "Ecole de garçons". [Escola de raparigas / Escola de rapazes]
Para mim, a maior conquista de Maio foi o direito à "mixitée". E não deixa de ser curioso que a direita actual Francesa, encabeçada por Sarkozy, comece a pôr em causa esta conquista. Querem pôr fim à "mixitée" !

Tomei conhecimento da geração rasca com a 1ª pag do diário "Público" da altura.

A foto que mostra o menino a mostrar o sexo releva um mal estar. Acho que foi por isso que se baptizou rasca. Por causa da amostragem do sexo.

 

[A "geração rasca" de estudantes em 93, Lisboa]


Eu acho que o 25 de Abril deu tudo à nova geração, exceptuando a liberdade sexual. Em Portugal, a sexualidade continua a ser assunto tabú. Daí talvez essa revolta que me pareceu mais sexual que política propriamente dito. Mas o campo sexual também é político.
O 25 de Abril foi feito por mulheres. Foram elas quem ocuparam as ruas e praças para reclamar o regresso dos filhos, maridos...do ultramar. Foi uma mulher quem realizou, quer se goste ou não, "Capitães de Abril". O nº de divórcios dá o berro (antes era proibido) logo após o 25 de Abril !

Depois a chapa voltou."

:::: e o rasco sou eu?

Quinta-feira, 25 de Setembro de 2008

a.D.P. - cONTEM-ME cOMO fOI!

#1-O desporto amador, e sobretudo as modalidades extra futebol de onze, são amplamente, perdoem-me o termo, desprezadas pelo público, e mesmo a níveis de

desporto profissional, pela comunicação social, mesmo a regional. Volto a falar-vos da A.D.P. - Associação Desportiva Portomosense. Mas sendo como o são  vários dos caros visitantes do gERAÇÃO de outras localidades que não Porto de Mós, Façam o exercício, por favor, de trocar as Siglas A.D.P. pelas do Clube da vossa terra. Leia o nome desse mesmo clube da sua terra, cada vez que mencione a A. D. Portomosense.

Será que nós pais, da-mos o devido reconhecimento e apoio aos clubes que ocupam e formam de alguma maneira, saudavelmente, os nossos jovens?

#2 - Portomosenses, sabiam que os INFANTIS de FUTSAL foram CAMPEÕES distritais de Leiria no Primeiro ano (a 2 ou 3 anos, citando de cabeça)que a ADP ingressou com esse escalão nesta modalidade?
Pois, poucos saberão disso! E o Andebol? com títulos e feitos orgulhosos de outros tempos ainda recentes, com os Banbys, de 4, 5 anos a praticar esta modalidade?

Não será diferente com a juventude da natação, onde a A.D.P. tem também uma forte Tradição histórica Distrital. Os Juniores de Futebol, ainda a cerca de dois anos os ví eu e a lente da minha câmara, sagrarem-se campeões Distritais também, após desempate por penalidades.

E dá gosto vê-los muitos ainda como "piquenos pardais"  espalhados nos campos com camisolas da A.D.P. nos vários campos e modalidades. O que entristece, sobretudo os jovens atletas, é a falta de presença humana a assistir aos jogos...

A.D.P. é mais que "O clube da terra", é, quer no papel  timbrado, como na prática, e  portanto demos-lhe a devida importância, uma Instituição de utilidade Pública, em todo o domínio e esplendor que a designação ostenta. 

 

 

No fundo o que pretendo abrir aqui com este post, é uma rúbrica, intitulada «A.D.P. -Contem-me como foi.» Ouvir histórias, relatos, alegrias ou mágoas, dificuldades, o que quiserem, sobre o clube da vossa terra. Vejamos a colectânea de "estórias" que podemos vir a juntar...

_______

Link com o post do vídeo - playlist completa que descreve a ampla intervenção desportiva e social da A.D.P. ao fim destes 30 Anos .

 

:::: vá! desinibam-se, contem lá...

.mrcosmos@sapo.pt

.dESEN[RASCA]

 

.pOST rECENTES

. cOISAS dO cAMANDRO: dO mA...

. a.D.P. - cONTEM-ME cOMO f...

.tags

. todas as tags

.LINKS

.nA gAVETA

.gERADELAS

eSTÃO a gERAR pRAQUI
.

.subscrever feeds